Siga nas redes sociais

Search
Foto: Victor Schwaner/divulgação.

Cannabis medicinal vira negócio para empresa que quer suprir demanda nacional

Desde 2020, com a regulamentação da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) que permite o registro de produtos feitos à base de cannabis e sua distribuição em farmácias no Brasil, o setor tem mostrado potencial na visão de investidores e empreendedores. Em janeiro, aprovou a importação de mais um produto a base da planta, aumentando a lista para 10 medicamentos. Vendo esse crescimento, a empresa mineira Ease Labs anunciou que vai investir R$ 80 milhões nesse setor, produzindo esses medicamentos em solo brasileiro. Para saber mais dessa empreitada, o Economia SP Drops conversou com o CEO da empresa, Gustavo Palhares. Confira abaixo:

Por que investir em cannabis? Como surgiu a visão para atuar nesse segmento?

Gustavo: A ideia surgiu com uma busca de propósito pessoal e profissional dos fundadores, que estavam em busca de um negócio com potencial de mudar o mundo e impactar positivamente a vida das pessoas, além, é claro, de uma boa projeção econômica financeira para os acionistas e capacidade de crescimento e expansão. Encontramos exatamente isso no setor da cannabis. Não só lidamos com produtos que trazem uma enorme gama de benefícios à saúde dos nossos pacientes e realmente mudam a vida das pessoas para melhor, mas também estamos num setor em franca ascensão no Brasil e no mundo, tanto pela ampla regularização em vários países como pela enorme tendência de migração de tratamentos alopáticos para tratamentos naturais.

Como é atuar e investir nesse segmento no Brasil? Quais são os desafios?

Gustavo: É motivante e desafiante ao mesmo tempo. Motivante, pois acreditamos muito no nosso modelo de negócios e que estamos vivendo uma oportunidade única de realmente fazer algo extraordinário no mundo dos negócios e para a sociedade ao mesmo tempo. Desafiante, pois ser pioneiro em um mercado novo requer agilidade, foco e muita assertividade para nos posicionarmos como líderes do mercado em uma estratégia de segmentação de longo prazo, inclusive apostando numa abertura ainda maior do mercado nos próximos anos.

Apesar dos desafios, o Brasil é visto como um dos mercados com maior potencial no mundo neste setor. Por quê?

Gustavo: O Brasil é um país com uma população acima de 210 milhões de pessoas, onde a cannabis foi regulamentada no âmbito federal. Isso significa que temos uma segurança jurídica única e um mercado consumidor enorme. Se segmentarmos a população brasileira dentro do mercado de patologias e especialidades médicas-alvo, enxergamos com ainda mais clareza essa oportunidade. O Brasil é o país com maior número de pessoas ansiosas no mundo: 33% da população brasileira sofre de dor crônica, 9,3% da população sofre de algum tipo de ansiedade e mais de 73 milhões têm problemas de insônia. De acordo com levantamento da empresa de inteligência de mercado de cannabis Kaya Mind, feito no ano passado, a regulamentação da cannabis no Brasil poderia gerar 117 mil empregos e movimentar R$ 26,1 bilhões em quatro anos no país.

Qual é o modelo de negócio da Ease Labs?

Gustavo: O modelo de negócio que a empresa adotou é o de produção em solo nacional a partir de insumos importados. Para isso, a empresa conta com duas linhas de produção com capacidade instalada para produzir 5 milhões de unidades por ano para fabricar soluções orais e mais 2,5 milhões para produtos sólidos, suficientes para suprir toda a demanda atual do Brasil de produtos à base de cannabis. Além de trazer mais eficiência operacional, financeira (menor tributação) e maior potencial de escala, esse modelo permitiu à Ease Labs a internalização de todo o know-how técnico-científico de desenvolvimento e produção dos canabinóides.

Quais os planos para 2022?

Gustavo: Para os próximos dois anos, a empresa pretende investir cerca de R$ 80 milhões no seu negócio. Esse modelo permitirá, ainda, a distribuição de produtos a preços mais acessíveis e o desenvolvimento de portfólios mais diversificados, incluindo a possibilidade de exportação para outros mercados. A empresa foi integralmente certificada pela Anvisa em 2021 para importar, desenvolver e produzir seus produtos. Já está ativa e produzindo, bem como com seu primeiro produto aprovado para venda pelo órgão regulador. Nossa meta é iniciar as vendas ainda neste semestre e expandir nosso portfólio. A Ease Labs possui infraestrutura e certificações que permite fabricar cerca de 70 produtos diferentes, demonstrando o alto potencial de crescimento e diversificação.

Compartilhe o conteúdo

Leia também

Como essa empresa está preparando seus clientes para as mudanças da Reforma Tributária

RH sob demanda: como o serviço de People as a Service pode ajudar startups

Personalização e IA: as tendências de CRM, segundo Zahra Jivá, da Pipedrive

Receba notícias no seu e-mail