Volume de investimento anjo em startups cresce 17% mas diversidade caminha lentamente

O volume de investimento anjo aumentou 17% no ano passado, voltando aos níveis pré-pandemia. No período, foram aportados mais de R$ 1 bilhão. Hoje são 7.834 pessoas que participam dessa modalidade de investimentos no Brasil.

Os dados fazem parte da pesquisa realizada pela Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos que fomenta o investimento anjo e apoia o empreendedorismo inovador no país.  

A pesquisa também levantou a perspectiva dos investidores para este ano, que esperam ter um aumento de 10%. Embora positiva, a expectativa é ainda insuficiente para a demanda das startups, de acordo com Cassio Spina, presidente e fundador do grupo:

“O investimento em startups precisa de estímulo e apoio para crescer e atingir todo seu potencial, que deveria ser R$ 10 bilhões ao ano, proporcionalmente ao efetuado outros países. Como pessoas físicas, o investidor anjo compara esse investimento de maior risco com os demais ativos de seu portfólio, aplicando análises de risco retorno e deixando de investir todo seu potencial. Embora nenhum investidor anjo faça esse tipo de aporte somente por retorno financeiro e tenha sempre um proposito maior ao investir, é certo que o impacto da macroeconomia e volatilidade de ativos tem um impacto no volume aportado nas startups ao longo do ano”, argumenta.

De acordo com ele, hoje o volume de investimento no Brasil é apenas 0,7% do que é investido em startups no Estados Unidos, que soma aproximadamente US$ 29 bilhões anualmente.

“Apesar da evolução que tivemos na última década no volume de investimento anjo, ainda estamos muito aquém do nosso potencial. Considerando a relação do PIB dos países é de cerca de 7 vezes, o investimento anjo no Brasil deveria ser de pelo menos R$ 10 bilhões. Para que o Brasil atinja todo seu potencial é necessária a criação de políticas públicas de fomento ao investimento em startups conforme recomendação da OCDE, que é aplicada em diversos países, incluindo todos os BRICS, exceto pelo Brasil”, revela.

PERFIL

A pesquisa inclui pela segunda vez um levantamento de raça ou cor dos respondentes que aponta que 91% dos investidores anjo brasileiros são brancos, 3% se declarando pretos, pardos ou indígenas, e 4% amarelos.

Esse dado, associado com a participação de apenas 16% de mulheres no universo de investidores, traz um sinal de evolução lenta no ecossistema brasileiro.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais