ESG: como essa tendência está ganhando destaque no atual modelo de governança das empresas?

Fabiano Sant Ana, head de ESG da Seidor Brasil.

Nos últimos dois anos, fomos impactados com situações totalmente inimagináveis no nosso cotidiano. Vimos os reflexos da pandemia de Covid-19, as alterações climáticas, bem como os avanços da guerra protagonizada por Rússia e Ucrânia. Tais fatos despertaram na sociedade em geral a reflexão acerca do que o futuro nos reserva. E, tratando-se do meio corporativo, os recentes acontecimentos reforçaram a necessidade de repensar as estratégias e modelos de gestão utilizados, bem como sua eficácia mediante períodos de instabilidade como o que vivemos.

Neste aspecto, o ESG, que é a sigla para abreviação do termo em inglês “ambiental, social e governança”, ganha relevância, já que deixa em destaque a importância de as empresas assumirem um verdadeiro compromisso com as causas socioambientais na definição de estratégias. Afinal, essa cultura, quando bem implantada, proporciona benefícios diversos para a sociedade, empresas e nações, especialmente no contexto da globalização.

Desta forma, o ESG ganhou ainda mais protagonismo. O conceito de Sustentabilidade cresceu 292% no ranking e é uma prioridade para CEOs globais e brasileiros. Até porque, o seu conceito faz jus à valorização de incorporar os três itens carregados em suas siglas nas práticas de gestão, que servem como parâmetros para avaliação e fortalecimento das relações de negócios.

Não à toa, o tema está sendo amplamente discutido, em bate-papos com especialistas mostra o porquê do tema sustentabilidade é hoje um dos principais desafios dos dirigentes de empresas e discussão da importância das práticas socioambientais, pois, segundo projeção do Fórum Econômico Mundial, estima-se que até 2050, as alterações climáticas devem reduzir o PIB mundial em até 18%. Frente a isso, acende um alerta das empresas repensarem em suas estratégias, até porque, se antes desenvolver ações sustentáveis era considerado algo opcional, atualmente, já não se trata mais de algo facultativo.

Presenciamos constantemente o aumento da procura das organizações em aderir práticas em prol da sustentabilidade, visto que esse é um movimento que cresce cada vez mais em um efeito cascata. Temos exemplos claros do mercado internacional que já adere as medidas de forma interiorizada, onde só comercializam produtos com nações que também têm ávido o compromisso com a causa ambiental.

E o Brasil? Nosso país também marca presença nesse cenário com a criação de projetos e medidas, como a Lei do Carbono, onde prevê que até 2050 seja completamente zerada a emissão de gás carbono que contribui para o efeito estufa. Desta forma, todos esses aspectos e elementos citados corroboram com o papel de destaque do ESG para o cumprimento e realização de tais objetivos.

O modelo de gestão intrínseco na prática do ESG permite e assegura a execução de melhores práticas de gerenciamento, permeando entre os conceitos de responsabilidade social, ambiental e governança. Além disso, fomenta a integração de recursos e tecnologias para o cumprimento das obrigatoriedades de forma benéfica para todos os envolvidos. Entretanto, mesmo em meio à popularidade, é necessário ter atenção com informações equivocadas que podem surgir no meio do caminho, transmitindo uma mensagem errônea de como implementar o ESG nas empresas.

Por isso, sim, todo cuidado é pouco. Para as empresas que buscam aderir e instaurar a cultura do ESG na sua gestão, é necessário dar início ao processo com a sua equipe, o que implica em investir na preparação e treinamento ao longo dessa jornada, que acarretará benefícios de longo prazo.

Nesse processo, o apoio de consultorias especializadas nesse segmento se configura como uma excelente alternativa para ajudar na implementação de medidas e acesso a abordagens eficazes. A partir de um diagnóstico empresarial é possível posicionar a empresa mediante as oportunidades de mercado e orientação para definição de estratégias e tomadas de decisão embarcadas no ESG.

Em suma, essas práticas permitem uma série de benefícios, desde que a organização comprove suas ações positivas. Contudo, existe um trabalho árduo no processo de conscientização e cultura. Até porque, a organização, quando implementa esse novo modelo de gestão baseado em melhores práticas, atinge uma posição de destaque no mercado. Por isso, o quanto antes começar, melhor. Afinal, o futuro não espera.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais