Mulheres em cargos de liderança estão mais propensas a pedirem demissão por insatisfação profissional

Atualmente, um novo cenário tem se desenhado para o público feminino no mercado de trabalho. As mulheres que ainda lutam por equidade salarial, equidade nas promoções e maiores oportunidades estão dando um basta para além da questão simples de gênero.

Líderes femininas estão exigindo mais do trabalho e trocando de emprego em um nível sem precedentes para alcançar o que buscam nas suas vidas e carreiras. É o que aponta o relatório Women in the Workplace 2022, da McKinsey & Company em parceria com o LeanIn.Org.

Recentemente, cerca de 12% de mulheres pediram demissão frente a 8% dos homens, uma diferença nunca registrada em anos anteriores. Por isso, para estancar essa tendência e realmente atender os anseios de suas colaboradoras, as empresas precisam ir além do discurso.

“As organizações precisam olhar para esse cenário e buscar entender os motivos que fazem essas colaboradoras se demitirem. É preciso ouvir as pessoas de forma genuína para entender e agir na raiz destes desligamentos”, aponta Carine Roos, CEO e fundadora da Newa.

Conforme o estudo, as mulheres dirigentes têm a tendência de sair do trabalho para buscar uma posição em uma empresa mais comprometida com a diversidade, equidade e inclusão. Isto é, uma organização que tenha políticas sólidas de crescimento e desenvolvimento profissional para elas.

A pesquisa aponta ainda que um a cada quatro líderes C-Suíte é mulher. Neste mesmo sentido, um a cada 20 é uma mulher negra. Outro dado que chama a atenção é que para cada 100 homens promovidos de um emprego de nível básico a gerente, apenas 87 mulheres são promovidas. 

“Vemos, diariamente, mulheres pedindo desligamentos das organizações em que atuam. Em muitos casos, isso se deve não apenas ao esgotamento mental, mas principalmente à falta de políticas que olhem para o bem-estar integral dessas mulheres como um todo dentro da empresa”, pontua.

Das entrevistadas para a pesquisa, 37% das dirigentes relataram ter tido um colega de trabalho que levou o crédito por sua ideia, contra 27% dos líderes homens. No mesmo sentido, o estudo aponta que aproximadamente metade disse que a flexibilidade está entre as três principais considerações ao decidir entrar ou sair de uma empresa, contra 34% dos líderes homens.

“O levantamento mostra que as mulheres têm tanta ambição quanto os homens de serem promovidas e reconhecidas por seus trabalhos. No entanto, historicamente elas enfrentam mais obstáculos”, comenta.

Para a executiva, mais do que nunca é preciso observar e entender a raiz do problema, para que as empresas consigam agir propondo políticas mais claras para o desenvolvimento e crescimento profissional de suas colaboradoras.

“É responsabilidade das organizações estarem atentas a esse cenário, promovendo ações que de fato gerem a inclusão efetiva dessas mulheres”, conclui.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais