Black Friday: a segurança do seu e-commerce está preparada?

Por Paulo Moura, VP de Business Development da Nethone no Brasil.

A sofisticação dos criminosos digitais faz com que sistemas tradicionais não deem conta do recado. Como fazer para combater a evolução das fraudes no varejo? Estamos nos aproximando da principal data do calendário promocional do e-commerce brasileiro. A Black Friday movimentou R$ 4,2 bilhões no ano passado no varejo online, com 5,6 milhões de pedidos somente na quinta e sexta-feira, segundo a Nielsen E-Bit, para o e-commerce, é quase um Natal antecipado.

A cada ano que passa, a Black Friday passa a ser menos “Friday” e mais “November”: as ações promocionais têm se estendido durante todo o mês para impactar os consumidores em momentos diferentes, e evitar a concorrência pesada nas 48 horas dos dois principais dias da ação promocional.

Neste ano, a Black Friday tem um componente novo – e bastante positivo para os negócios: a Copa do Mundo. A venda de eletroeletrônicos, produtos relacionados ao futebol e categorias como alimentos e bebidas costuma disparar antes dos jogos, e essa é uma excelente notícia neste ano complicado que temos vivido.

Mas precisamos deixar o alerta: o varejo não pode se expor a riscos desnecessários nesta temporada de Black Friday. E riscos existem, muitos, por sinal. Será que você está atento a esses riscos?

Maturidade em evolução

Apenas nos meses iniciais da pandemia, mais de 10 milhões de pessoas fizeram compras online pela primeira vez. Esse movimento continuou em 2021 e no primeiro semestre deste ano. Mais ainda: com o aperto da economia, muita gente passou a vender online, seja em marketplaces, seja em plataformas próprias. Isso significa que uma quantidade enorme de pessoas ainda está em um processo de “aculturamento digital” e desconhece boa parte dos riscos do mercado.

Isso explica, por exemplo, por que os casos de phishing respondem por 80% dos incidentes de engenharia social na América Latina. O consumidor desavisado clica naquele falso e-mail de alerta ou na mensagem que chega via WhatsApp – e em menos de 90 minutos o criminoso já está fazendo estragos usando os dados do cliente.

Só o cliente não basta

Esses dados mostram que o usuário precisa fazer parte da segurança. Soluções tecnológicas que ajudem o consumidor a se proteger são muito bem-vindas – mas somente isso não basta, pois o risco para as empresas é grande demais.

É preciso ter uma postura proativa no combate aos crimes digitais. Esperar que a casa seja invadida para então tomar uma providência é justamente o que tem deixado as empresas sujeitas a ataques de ransomware e a fraudes de todo tipo.

Proteção em tempo real

Criminosos digitais sabem que tempo, literalmente, é dinheiro. Quando eles capturam dados dos clientes, quanto mais rapidamente eles fizerem a fraude, menor a possibilidade de serem detectados. Como as ferramentas tradicionais do mercado não estão preparadas para absorver um grande volume de transações ao mesmo tempo, elas acabam funcionando como gargalos, prejudicando a experiência de compra. Nesse momento, o e-commerce prefere se arriscar a fazer uma venda fraudulenta a barrar uma venda falsamente suspeita. E os prejuízos acontecem

Especialmente na Black Friday, em que a temporada de compras é muito curta, o varejo não pode perder tempo na análise de transações. Demorar para aprovar a compra pode significar perder a venda. Especialmente nos casos de “falsos positivos”, o antifraude pode estragar a experiência de compra – por outro lado, liberar qualquer compra é um prato cheio para fraudadores.

A solução é o uso intensivo de tecnologia para automatizar os processos de aprovação e diminuir os riscos de fraudes. Dessa forma, é possível conservar o sigilo do cliente, respeitando a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), e ao mesmo tempo entregar toda a segurança necessária.

Todo cliente é único

Com o uso de milhares de pontos de contato com o cliente, os sistemas mais avançados de segurança conseguem identificar se aquela transação pode ser fraudulenta ou se é segura. Cada pessoa tem características únicas, como o ângulo e altura em que segura seu smartphone, com que dedos faz a digitação, com que velocidade, quais os aplicativos que estão no celular e de onde faz a compra. A análise em tempo real desses e outras centenas de parâmetros dá às empresas mais segurança de que aquela compra é verdadeira.

Soluções como a Know Your Users, da Nethone, vão tão a fundo nesse tipo de análise que conseguem avaliar com um grau de precisão enorme se o cliente é realmente quem diz ser. A velocidade de digitação do número de cartão de crédito, o tipo de aparelho e o mix de apps no celular, por exemplo, geram combinações quase infinitas. Esses fatores, combinados com características de fraudadores, como o uso de celulares “pelados” e sua conexão a computadores para facilitar o “copy/paste” de números de cartões, geram padrões que mostram com grande segurança se o cliente é real, ou se a transação é uma fraude.

Nesta Black Friday, é preciso tomar ainda mais cuidado com a segurança de suas transações online. As fraudes estão cada vez mais sofisticadas e sistemas baseados em regras não são capazes de lidar com os desafios do uso de Inteligência Artificial e fraudes sintéticas por cibercriminosos. Por causa disso, é necessário ser ainda mais ativo na segurança das transações. A saúde financeira do seu negócio agradece!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais