Siga nas redes sociais

Search
Stefanie-Schmitt
Foto: divulgação

Outubro Rosa: além do cuidado físico, um momento de reflexão sobre ser mulher

Por Stefanie Schmitt, CEO da Olhi.

Outubro vem se popularizando como o mês mais feminino do ano.

As campanhas em torno da prevenção do câncer de mama chamam a atenção para a necessidade do autocuidado, mas deixam de abordar a relevância da observação não só da saúde física, mas também mental das mulheres.

Historicamente, somos responsabilizadas pelos cuidados de nossas famílias e lares. Tanto é que a própria publicidade estimula que sejamos presenteadas com aparelhos domésticos que poderiam tornar nossas vidas mais simples e prazerosas no dia a dia.

Para quem defende essa tese, parece que a reprodução do cuidado e nossa exaustão poderiam ser resolvidos pela automatização e não pela redistribuição das tarefas domésticas.

No Brasil, mesmo já respondendo pela renda de praticamente a metade dos lares brasileiros (IBGE), as mulheres dedicam cerca de 61 horas por semana ao trabalho do cuidado não remunerado (ThinkOlga).

Se são 8 horas por dia útil para o trabalho remunerado, seriam 12 para o não remunerado. Pois é, como a própria ganhadora do Nobel, Claudia Goldin, afirma: “não teremos igualdade de gênero no trabalho enquanto não houver dentro de casa”.

Porém, como vimos, para lidar com essa carga laboral, quem a enxergou criou uma nova demanda, a dos eletrodomésticos, a qual não resolveu, dentre outros, a carga mental decorrente da responsabilização.

Contudo, o cenário ainda fica pior. Conforme demonstrado por Naomi Wolf, com o ingresso massivo das mulheres no mercado de trabalho, as publicações femininas passaram a dar ênfase para um mercado ainda mais rentável do que os eletrodomésticos: o da beleza.

Ao custo de nossa saúde mental, as campanhas publicitárias passaram a estimular a busca por um padrão de beleza inconcebível, além de enaltecer um consumismo desenfreado em busca de uma aparência vendida como ideal e que, para não ser atingida, muda de tempos em tempos.

Tanto é que, de acordo com o Google, somente em 2020, o número de pesquisas relacionadas a harmonização facial saltou 540% em relação ao ano anterior.

Ainda em 2020, nós já estávamos tendo que lidar com o aumento da carga do cuidado decorrente da pandemia de Covid-19, mas, como se não fosse suficiente, também tivemos que passar a lidar com um problema possivelmente ainda mais devastador, a insatisfação com nossos rostos.

Segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética, entre 2020 e 2021, houve um aumento de quase 50% na procura por procedimentos estéticos, o que acabou denominado como efeito Zoom.

Obviamente, todas nós desejamos nos sentir bem com nossa aparência, e isso tem impactos em nosso bem-estar. O autocuidado envolve a estética, a observação e o cuidado de nosso corpo e mente. Porém, é salutar reconhecermos que somos vítimas de um padrão mutável e, portanto, inatingível.

Precisamos, também, de uma indústria realmente comprometida com a diversidade, capaz de estimular nosso amor-próprio, para que possamos cuidar de nossa saúde física e mental a partir do acolhimento daquilo que somos, da intimidade com nosso corpo.

Boa parte desse anseio por padrões inatingíveis é agravado pelo uso frequente das redes sociais e, tudo indica que as adolescentes sejam as maiores vítimas.

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), órgão do governo americano semelhante à Anvisa no Brasil, em 2011, 36% das garotas e 21% dos garotos adolescentes afirmaram se sentirem tristes ou desesperançosos com frequência. Em 2021, os índices chegavam a 57% e 29%, respectivamente.

O estudo ainda aponta que 30% das garotas, contra 14% dos garotos, cogitaram o suicídio em um período de um ano até a data da entrevista. O aumento foi de 60% em 10 anos.

Um outro estudo, feito com 11 mil adolescentes no Reino Unido, também concluiu que a saúde mental dos adolescentes está em níveis preocupantes e, segundo os pesquisadores, a causa principal é o uso das redes sociais.

Na pesquisa, entre jovens que usavam as redes sociais menos de uma hora por dia, o índice de depressão era de 15,1% para as meninas e 7,2% para os meninos.

Já no grupo daqueles que passavam de 5 ou mais horas por dia, o índice era de 38,1% e 14,5%, respectivamente.

Embora não haja estudos específicos sobre o tema no Brasil, é válido lembrar que, segundo dados da Organização Mundial de Saúde, somos o país mais ansioso do mundo, com aproximadamente 9,3% dos brasileiros sofrendo de ansiedade patológica.

Em tempos em que tanto se fala sobre diversidade e inclusão, parece inconcebível que sejamos vítimas de padrões cada vez mais irreais, construídos com base em filtros e outros artifícios.

Também, é inaceitável que tenhamos que lutar sozinhas contra estímulos que nos adoecem, enquanto, sobrecarregadas, somos estimuladas a adotar uma postura de autocuidado.

Que os próximos outubros sejam de mais acolhimento e de menos culpa sobre o que precisamos ter ou fazer para ficarmos bem.

Compartilhe o conteúdo

Leia também

fia business school

Por que devemos nos preocupar com a equidade de gênero

Dani Junco, Carine Roos, Andrea Miranda, Fabiana Ramos e Nara Iachan

Homens controlam 105 trilhões de dólares a mais do que mulheres

Coworking em foco: como os espaços impactam a rotina de trabalho de mulheres?

Receba notícias no seu e-mail