Siga nas redes sociais

Search

Como essa empreendedora criou o primeiro serviço de assinatura de medicamentos do Brasil

Foto: Divulgação

Mineira de Belo Horizonte, Samilla Dornellas é farmacêutica pela UFMG, com graduação sanduíche na Monash University of Australia (ranking de 3º melhor curso de farmácia do mundo).

Em 2019, Samilla co-fundou a Far.me, o primeiro serviço de assinatura de medicamentos e cuidado farmacêutico do Brasil. Considerada a melhor startup do 1º batch do BiotechTown, a Far.me cresceu 420% de 2021 para 2022 e nasceu da vontade de criar soluções para promover a segurança e a tranquilidade das pessoas em tratamento contínuo.

Em mais uma entrevista da série especial sobre empreendedorismo feminino, o Economia SP Drops conversou com a empresária para saber mais dessa jornada e dos próximos passos dentro do mundo dos negócios. Leia na íntegra:

Como você decidiu se tornar empreendedora e qual foi a motivação por trás disso?

Samilla: Sendo bem sincera, não me lembro de um momento de decisão. Empreender sempre foi algo muito natural, mesmo. Até quando eu estava como estagiária em instituições de saúde. Lembro que quando eu trabalhava em um dos maiores hospitais de BH, comecei a fazer atendimento clínico nos leitos do hospital e em poucos meses eu me encontrava na sala do time de TI implementando um novo sistema para farmácia clínica.  O instinto empreendedor de não se contentar com o status quo de determinadas situações sempre mexeu muito comigo e com a Far.me não foi diferente. Quando entendi que existia espaço e uma necessidade latente de transformar a vida das pessoas com uma solução simples, não pensei duas vezes antes de começar a conversar com pessoas e validar o negócio.

Como você vê o papel das mulheres no mundo dos negócios e como isso evoluiu ao longo do tempo?

Samilla: Fico muito feliz em ver a velocidade com a qual cada vez mais mulheres se jogam no universo dos negócios. É fato que quando falamos em cargos de alta liderança, C-level e founders, ainda temos um longo caminho a percorrer. Porém com 5 anos de Far.me já vejo um cenário completamente diferente de quando começamos. Graduamos em um programa de aceleração de startups (Founder Institute) logo no início e o percentual de mulheres era baixíssimo. Hoje, não só este programa como outras iniciativas demonstram mais mulheres de diferentes backgrounds empreendendo e atuando em altos cargos. 

Qual é a importância do networking e do apoio entre empreendedoras para o sucesso nos negócios?

Samilla: Acredito que vai além do importante, é crucial. Temos que nos enxergar, contribuir com conexões, networking, indicações e oportunidades para tomar este lugar que também é nosso de direito. 

Quais são os principais obstáculos que as mulheres empreendedoras ainda enfrentam atualmente?

Samilla: Vejo que o maior obstáculo ainda é cultural e se mostra muitas vezes nas entrelinhas, de forma sutil, sendo um acúmulo de séculos de patriarcado. Toda essa conjuntura, infelizmente, faz com que nós mulheres nos autossabotemos em algum grau durante a carreira. Falo por mim: já me peguei questionando a mim mesma, por exemplo, quando estava fazendo fundraising e encontrei um cenário majoritariamente masculino. Por mais que eu tivesse me preparado e soubesse que estava construindo algo incrível, em algumas negociações a síndrome da impostora vinha com tudo. 

  

Como você vê a representatividade das mulheres em posições de liderança e como isso influencia o empreendedorismo feminino?

Samilla: Apesar de ainda ser baixa, a representatividade me inspira por conta das estatísticas que já começaram a mudar. Empreender é pensar diferente e não vejo um futuro próspero sem agirmos de forma diferente. Adicionalmente, enxergar mais mulheres em cargos de liderança é fundamental para apoiar o empreendedorismo, não só para que a gente se acostume a ver mais figuras de mulheres em tais posições, mas também para olharmos para o lado e nos apoiarmos no dia a dia. Ainda não somos muitas, mas estamos juntas.

Quais são suas fontes de inspiração no mundo dos negócios?

Samilla: Mulheres que estão liderando grandes transformações, não só no mundo dos negócios, mas também na política, na área social, saúde, gastronomia, etc. 

Quais são seus próximos planos e objetivos? 

Samilla: Depois de ter fundado a Far.me e atuado como CEO durante os 5 anos até a aquisição pela Viveo, assumi a área de Novos Negócios e Growth dentro da empresa. Tenho o objetivo de escalar todas as avenidas de expansão e alavancas de crescimento para que milhares de brasileiros experenciem o serviço da Far.me.

Compartilhe

Leia também

Receba notícias no seu e-mail