Siga nas redes sociais

Search

Por que o compliance fiscal precisa da transformação digital? 

Foto: divulgação

Por Karen Semeone, advogada especialista em Direito Tributário e Tax Manager na Systax.

A transformação digital é uma realidade inevitável no cenário corporativo atual. Impactando todos os aspectos das operações empresariais, a tecnologia abre espaço para a automação e a automatização de tarefas. O estudo “Índice Transformação Digital Brasil 2023”, feito pela PwC Brasil, confirmou que 69% das empresas que implementam soluções digitais elevam sua eficiência operacional.

No universo fiscal, principalmente em relação ao Compliance, essa transformação também não estaria de fora, afinal, à medida que as obrigações tributárias se tornam cada vez mais eletrônicas, as empresas devem adotar uma postura moderna e consciente para garantir a conformidade com as exigências fiscais.

Do papel ao digital: a evolução das obrigações tributárias

O cumprimento das obrigações fiscais é historicamente burocrático e ineficaz, muitas vezes associados a erros humanos e dificuldades operacionais. No entanto, com a digitalização, essa realidade está mudando e conta com iniciativas de órgãos fiscais para aderir a sistemas eletrônicos para a gerência de tributos, como foi o caso do SPED, lançado em 2007, registrando documentos contábeis e fiscais, incluindo a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).

Como resultado de implementação, as tecnologias digitais no Compliance fiscal oferecem:

– Automatização de processos, o que reduz significativamente a margem de erros e a lentidão de processamento de dados financeiros;

– Acompanhamento mais eficaz e em tempo real das obrigações tributárias, facilitando a identificação e correção de inconsistências de forma ágil;

– Simplifica a gestão de documentos, eliminando a necessidade de armazenamento físico, melhorando o acesso às informações fiscais;

A evolução das análises tributárias com a tecnologia também possibilitou a cura de uma dor antiga do setor: a impossibilidade de corresponder às constantes atualizações legislativas. Hoje, com tecnologias de ponta, que utilizam integração e monitoramento, é possível executar processos fiscais de acordo com as regras mais recentes, simplificando a assertividade e a conquista da conformidade.

A implementação das tecnologias fiscais

Se há uma condição principal para usufruir dos benefícios que a inteligência fiscal proporciona está no estágio de implementação de tecnologias no Compliance. Responsabilidade e adaptabilidade são peças-chave e tudo começa quando empresas entendem profundamente as exigências fiscais digitais e como essas mudanças impactam seus processos internos.

A escolha de consultoria especializada e de ferramentas certas que interagem perfeitamente com os sistemas existentes, atendendo às necessidades específicas do negócio, é fundamental para o sucesso do Compliance fiscal no cenário digital. Sabendo que as regulamentações tributárias estão em constante evolução, principalmente com a emergência da Reforma Tributária no Brasil, empresas devem ser capazes de ajustar suas operações de forma ágil e segura para manter a conformidade.

Por isso, adotar uma abordagem proativa é imprescindível na escolha das soluções fiscais que irão integrar processos e torná-los devidamente flexíveis, eficazes e com a gerência de riscos em dia.

Oferecendo uma oportunidade de melhorar a precisão dos processos fiscais, eliminando o estigma de ineficácia associado aos métodos tradicionais, a tecnologia se torna não só uma tendência, mas uma necessidade para a evolução processual e para a prosperidade e sustentabilidade de empresas. O Compliance fiscal é parte essencial da sustentabilidade de um negócio e, portanto, precisa de investimentos que foquem em sua conformidade.

Compartilhe

Leia também

Receba notícias no seu e-mail