O crescimento de Parcerias Público-Privadas no setor hospitalar

O mercado de Parcerias Público-Privadas tem crescido, e cada vez mais tem sido visto como ponto-chave para a recuperação econômica no cenário pós-pandemia. De acordo com um balanço do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), para este ano estão previstas operações com mais de 153 ativos, o que deve garantir cerca de R$ 300 bilhões aplicados em novos projetos do modal.

No setor hospitalar, as PPPs, que não podem e nem devem ser confundidas com privatização da saúde, também têm como objetivo oferecer um serviço de qualidade e excelência, através da implantação, manutenção e operação de uma infraestrutura pública com alta eficiência, mas para um público oriundo de um serviço público que, na sua imensa maioria, só tem acesso a uma infraestrutura precária e sem a devida manutenção e atualização.

Um trabalho conjunto entre os dois entes, público e privado, bem gerido e que depende de investimentos contínuos e também maturidade leva tempo, claro. Contudo, estamos entrando na fase em que o primeiro ciclo das PPPs de infraestrutura de saúde feitas desde que o marco legal permitiu a parceria entre os setores públicos e privados se tornou operacional e a sociedade começa a perceber, de fato, os frutos colhidos com este modelo revolucionário.

Minha visão é muito positiva para o futuro próximo, pois entendo que a visibilidade destes projetos já operacionais e bem sucedidos é a chave para destravar uma verdadeira enxurrada de novos projetos no setor.

Vejo o acolhimento de todos os envolvidos, pacientes, médicos e enfermeiros, com a disponibilização de uma infraestrutura e equipamentos hospitalares com alta qualidade e disponibilidade, e para além do bem-estar do paciente, sentimos as consequências significativas na ruptura de gargalos no tempo de atendimento a esse público.

São mais leitos, qualidade e tecnologia entregues sem que se precise construir alas ou aumentar o número de camas e equipamentos, apenas extraindo dos existentes a máxima eficiência. E ainda há disposição para iniciativas que entregam mais que o básico.

Em Manaus, no Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, PPP sob gestão administrativa da OZN, um projeto de humanização realizado no Centro de Imagem com pacientes encaminhados do SUS é um bom exemplo.

Nas salas de exame de tomografia e ressonância magnética foi desenvolvido um amplo projeto de ambientação dinâmica, imagens de copas de árvores e luzes coloridas são projetadas no teto, com detalhes minuciosamente pensados para gerar abstração aos pacientes, com intuito de acalmá-los para a realização dos procedimentos. 

O trabalho, além de dar confiança e mais controle ao usuário, tem influenciado diretamente no fluxo dos exames, já que uma vez tranquilizados, as análises são mais diretas e os espaços imediatamente liberados para o próximo paciente. Assim, os exames demoram menos tempo do que antes e temos menor necessidade de uso de sedativos, propiciando que o equipamento atenda um maior número de exames com menor custo. Cuidado, carinho e atenção aliados à produtividade e eficiência.

Esse é apenas um exemplo de como o modelo de operação realizado por meio dessas parcerias se sobrepõe ao sucateamento de alguns serviços públicos de saúde oferecidos às comunidades.

Os benefícios vão além da infraestrutura, e na minha visão, existe um objetivo social ainda maior: entregar segurança, conforto e zelo a cada paciente que utiliza nossas dependências e contam conosco para acompanhá-lo em um momento tão delicado. É o que move o corpo de nossas empresas e nos fazem desenvolver cada vez mais nossas operações, para entregar serviços de excelência aos usuários que pagam seus impostos.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais