Economia do visitante: o fato busca definição

Do alto do Corcovado, o nonagenário Cristo Redentor é um símbolo do Brasil. Não há que não o associe a imagem ao país. Essa cristalização é favorável ao turismo nacional, em particular ao Rio de Janeiro. Poucos lugares têm algo tão límpido. A ele, naturalmente, somam-se outros: a Amazônia, imensa e muitas, Foz do Iguaçu que rivaliza com o Cristo Redentor como símbolo internacional, as praias do Nordeste, o skyline da Avenida Paulista, o bucolismo do Pantanal, o perfil arquitetônico de Brasília. Entre os intangíveis, o samba, os saberes culinários e até a amabilidade dos brasileiros.

Tudo junto e misturado, temos acima dez entre dez possíveis descrições dos ativos turísticos brasileiros. Façamos uma reflexão: o que foi “criado” visando o desenvolvimento turístico nacional ou local? Donga, ao gravar o primeiro samba, não estava pensando que aquela seria a trilha sonora do Brasil no mundo, quando sonhou com o Cristo em 1859, Pierre-Marie Boss não considerou o place branding do lugar. Talvez a única exceção, do ponto de vista da iconografia, seja a arquitetura de Oscar Niemeyer na capital federal.

Esse conjunto, contudo, faz com que 6 milhões de estrangeiros visitem o Brasil, quase 2 milhões vão ao Cristo, 44 milhões de viagens internas por São Paulo. Podemos acrescentar: os 6 milhões de turistas em Gramado, 60 milhões que vão para Nova York.

Olhar o consumo de um destino como resultados do que se convencionou chamar de turismo empobrece o debate e dificulta a tomada de decisões que ajudarão no desenvolvimento da chamada economia do visitante. Pelo conceito, ainda não definitivo, são desconsiderados os esforços que cidades, estados e países, e seus moradores, fazem para a criação de um lugar melhor para todos, independente se locais ou visitantes.

Ao fechar o foco das análises econômicas e sociais no turista, temos resultados que mostram parte da história. Exemplificando: 2 milhões de turistas visitaram o Cristo, com impacto econômico de R$ 1,4 bilhão. É um dado, mensurável, que mostra a importância do cartão postal. Mas é somente isso? E os investimentos feitos, independente do acesso por van ou no trenzinho? Existiriam, hoje, sem o afluxo de turistas? E o consumo em cascata e democrático desses visitantes, que escapa das análises e vai da construção civil ao agro e aos serviços diversos que são gerados? Não se trata apenas de olhar a conta satélite ou atividades induzidas.

A economia do visitante procura ampliar o olhar: sai o foco no turista e entra em tudo o que é feito ou motivado, total ou parcialmente, a partir daquela expectativa de consumo. Nova York e outros destinos ainda sofrem com o consumo autóctone e a ausência dos turistas.

Os serviços que atendem diretamente quem vem de fora, transportes, hotéis, agências de receptivo, são usados como parâmetro quando se pensa na dimensão economia e social das viagens e turismo. Não está errado, mas não é só isso. É importante tirar o foco do turista e colocar em tudo o que é feito para recebê-lo, com exclusividade ou de forma compartilhada, isso é a economia do visitante.

Um novo conceito que precisa ser aprofundado, para que se possa compreender em toda a sua dimensão aquilo que hoje chamamos de turismo, e ultrapassar esse limite, inclusive para muito além dos 58 setores que hoje são impactados por ele.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais