Siga nas redes sociais

Search

Como a comida afeta a mente, além do corpo

Foto: Canva.

Afinal de contas, você é o que você come.

Peru assado reluzente. Rodadas de batatas assadas, salsichas com bacon (porque qual refeição com carne e pão não é acompanhada de salsichas envoltas em bacon?). Molho de pão. Molho de carne. E, para terminar, pudim repleto de manteiga.

Os países variam em suas tradições de refeições de Natal. Os poloneses preferem peixe, frequentemente a carpa. Uma mesa de Natal sueca é repleta de variedades, embora não possa faltar o arenque. Já a refeição servida na maioria das mesas britânicas nesta data festiva é icônica e tem sido (com o ganso às vezes substituindo o peru) desde a época dos vitorianos.

Uma boa refeição tem um impacto positivo no humor de alguém. Parte desse prazer é imediato. Aqueles que evitam excessos e brigas familiares desfrutarão de um aumento pós-prandial em seu nível de açúcar no sangue. Isso irá desencadear uma enxurrada de endorfinas – substâncias químicas que atuam como hormônios da felicidade – a percorrer seus cérebros.

Mas o prazer vai mais fundo. Proteínas animais, como aves assadas, presuntos ou peixes, contêm todos os aminoácidos de que o corpo precisa, incluindo muitos que ele não pode produzir por si só. Tirosina e triptofano são necessários para a produção, respectivamente, de dopamina, um neurotransmissor que controla sentimentos de prazer e recompensa, e serotonina, outro neurotransmissor que ajuda a regular o humor. As couves contêm folato, uma vitamina sem a qual o cérebro não pode funcionar adequadamente. E as amoras são ricas em vitamina C, que está envolvida, entre outras coisas, na conversão de dopamina em noradrenalina, outro neurotransmissor, e a falta dessa vitamina parece estar associada à depressão.

Com o aumento dos distúrbios de saúde mental, um número crescente de cientistas está investigando como a comida ou suplementos nutricionais afetam a mente. Os cérebros, sendo os órgãos mais complexos e que demandam mais energia do corpo, quase certamente têm suas próprias necessidades nutricionais especializadas. Bem-vindos, portanto, ao campo emergente da psiquiatria nutricional.

Um cérebro humano adulto, que representa cerca de 2% da massa corporal, utiliza 20% da sua energia metabólica. Uma série de vitaminas e minerais são necessários para mantê-lo funcionando. Mesmo em uma pequena seção das vias metabólicas do cérebro, muitos nutrientes essenciais são necessários. A conversão de triptofano em serotonina, por si só, requer vitamina B6, ferro, fósforo e cálcio.

Desembaraçar as necessidades nutricionais do cérebro das do restante do corpo é complicado. As recomendações diárias de ingestão (RDAs) são de pouca ajuda. Elas foram formuladas durante a Segunda Guerra Mundial com base nos nutrientes necessários para a saúde física das tropas. Não existem RDAs semelhantes para o cérebro. Pelo menos, não ainda.

Em comparação com outros campos, a ciência nutricional é pouco estudada. Isso se deve em parte ao fato de ser difícil de fazer bem. Ensaios clínicos randomizados (ECRs), usados para testar medicamentos, são complicados. Poucas pessoas querem aderir a uma dieta experimental por anos. Em vez disso, a maioria da ciência nutricional é baseada em estudos observacionais que tentam estabelecer associações entre alimentos ou nutrientes específicos e doenças. Eles não podem ser usados para provar definitivamente uma conexão causal entre uma doença e um fator específico na dieta. Mas, assim como aconteceu com o tabagismo e o câncer de pulmão, quando se reúne um número suficiente desses tipos de estudos, narrativas causais começam a emergir.

Agora está claro que algumas dietas são particularmente benéficas para o cérebro. Um estudo recente conclui que aderir à “dieta mediterrânea”, rica em vegetais, frutas, leguminosas e grãos integrais, com baixo consumo de carnes vermelhas e processadas e gorduras saturadas, diminui as chances de sofrer acidentes vasculares cerebrais, comprometimento cognitivo e depressão. Outro estudo recente, analisando uma “dieta mediterrânea verde” rica em polifenóis (os antioxidantes encontrados em coisas como chá verde), descobriu que ela reduziu a atrofia cerebral relacionada à idade. Outra versão, a “dieta da mente”, enfatiza, entre outras coisas, o consumo de frutas silvestres em vez de outros tipos de frutas e parece reduzir o risco de demência.

Cientistas acreditam que essas dietas podem funcionar reduzindo a inflamação no cérebro. Isso, por sua vez, pode afetar áreas como o hipocampo, que está associado à aprendizagem, memória e regulação do humor – e onde novos neurônios crescem em adultos. Estudos em animais mostram que quando são alimentados com uma dieta rica em ácidos graxos ômega-3 (de nozes, por exemplo), flavonoides (consumidos principalmente através de chá e vinho), antioxidantes (encontrados em frutas silvestres) e resveratrol (encontrado em uvas vermelhas), o crescimento dos neurônios é estimulado e os processos inflamatórios são reduzidos. Isso se alinha com pesquisas que sugerem que aqueles que regularmente consomem alimentos ultraprocessados, fritos e açucarados, que aumentam a inflamação no cérebro, aumentam seu risco de desenvolver depressão.

Essa ceia de Natal frequentemente é criticada como uma orgia de glutonaria. Na verdade, com seus diversos acompanhamentos de legumes, sua densidade nutricional pode torná-la uma das refeições mais saudáveis que algumas pessoas consomem durante o ano. Apenas 10% dos adultos nos Estados Unidos consomem a quantidade diária recomendada de vegetais, e apenas 12% consomem frutas suficientes. É uma história semelhante em grande parte do mundo. Como resultado, muitas pessoas recorrem a suplementos de vitaminas e minerais para compensar suas deficiências nutricionais.

Em 2018, 54% dos norte-americanos e 43% dos asiáticos estavam tomando um suplemento nutricional. Os tipos mais comuns são multivitaminas, vitamina D e ácidos graxos ômega-3. Os Estados Unidos gastam mais em suplementos dietéticos, seguidos pela Europa Ocidental e Japão. Uma estimativa colocou o mercado global em US$ 152 bilhões em 2021, com um crescimento anual de 9% esperado até 2030. Mas em muitos lugares a regulamentação da indústria de suplementos é fraca ou inexistente, e poucas pesquisas rigorosas foram realizadas sobre seus benefícios ou riscos.

A história dos suplementos nutricionais começa em 1912, quando Casimir Funk, um bioquímico polonês-americano, propôs que substâncias orgânicas não identificadas eram necessárias em pequenas quantidades para manter a saúde humana. Foi uma ideia revolucionária. E ele estava correto. Além dos macronutrientes, como proteína e carboidratos, havia componentes não descobertos nos alimentos – micronutrientes. A primeira vitamina a ser isolada e depois sintetizada em 1936 foi a tiamina ou B1. A deficiência causa beribéri, uma doença que pode afetar tanto o sistema cardiovascular quanto o sistema nervoso central. A descoberta desencadeou uma corrida para isolar, caracterizar e fabricar vitaminas e, finalmente, lançou a indústria de suplementos.

Meio século após a descoberta de Funk, surgiu a ideia de que nutrientes poderiam ser capazes de tratar doenças mentais. Abram Hoffer, um psiquiatra canadense, tentou tratar esquizofrênicos com altas doses de vitamina B3. Em 1968, Linus Pauling, um químico vencedor do Prêmio Nobel, cunhou o termo “psiquiatria ortomolecular” para descrever a teoria de que variar a concentração de substâncias normalmente presentes no corpo poderia tratar doenças mentais. Mas havia poucas evidências para apoiar suas afirmações e em 1973, a Associação Psiquiátrica Americana divulgou um relatório que rejeitou a psiquiatria ortomolecular, destacando a falta de experimentos controlados e concluindo que altas doses de B3 eram inúteis e não isentas de riscos.

A ausência de estudos em larga escala e sérios no campo da psiquiatria nutricional abriu espaço para aqueles ansiosos para promover o potencial de suplementos muito além de qualquer ciência existente. Autumn Stringam é um exemplo disso. Após o nascimento de seu primeiro bebê em 1992, a Sra. Stringam, uma canadense, foi internada em uma ala psiquiátrica com grave psicose pós-parto. Sua família tinha histórico de doenças mentais, incluindo transtorno bipolar, psicose, depressão e suicídio. Seu prognóstico era sombrio. Mas então seu pai, junto com um amigo que trabalhava na indústria de alimentos para animais, desenvolveu um suplemento contendo uma variedade de vitaminas e minerais que eles alegavam ser baseados em suplementos que reduziam a ansiedade e o estresse em porcos. A Sra. Stringam creditou os suplementos por sua recuperação. Sua história se espalhou e a família começou a vender as pílulas amplamente.

No entanto, não houve ensaios comprovando a eficácia ou a segurança. A sugestão de que os suplementos eram uma cura milagrosa levou um esquizofrênico a abandonar sua medicação prescrita. Ele posteriormente assassinou seu pai e feriu gravemente sua mãe. Em 2003, o regulador de medicamentos do Canadá, preocupado com o uso de suplementos não testados para transtornos mentais graves, apreendeu as pílulas. O episódio solidificou a ideia na mente de muitos de que o uso de micronutrientes para tratar condições de saúde mental era pura charlatanice.

E ainda assim, hoje em dia muita ciência apoia a ideia de que existe uma forte ligação entre o que as pessoas comem e sua saúde mental. Estudos têm mostrado que a deficiência de vitamina B12 causa depressão e má memória e está associada a mania e psicose. Baixos níveis de vitamina D estão associados a um aumento no risco de demência e acidente vascular cerebral, e estão implicados em distúrbios de neurodesenvolvimento. Um ensaio clínico recente descobriu que doses elevadas de B6 – 100 mg por dia em vez da RDA de 1,3 mg – reduzem a ansiedade. Em um estudo de Robert Przybelski da Universidade de Wisconsin com pacientes geriátricos que frequentam uma clínica de memória, 40% apresentavam deficiência de uma vitamina (de cinco que foram pesquisadas) e 20% de duas.

Então, por que não simplesmente tomar um punhado de vitaminas em vez de se preocupar com uma dieta complexa e talvez cara? Em parte, porque raramente se sabe exatamente o que você está ingerindo. Ted Dinan, professor de psiquiatria do University College, descreve a indústria de suplementos como o ‘Velho Oeste”. Ao contrário dos medicamentos rigorosamente regulamentados, os suplementos podem conter mais ou menos do que afirmam. Um excesso de vitamina A pode ser prejudicial durante a gravidez. Há uma variedade de riscos para a saúde ao tomar betacaroteno e vitamina E. Doses elevadas de um nutriente podem interferir na absorção de outro.

Qualquer teste do uso de micronutrientes em condições de saúde mental no Canadá estagnou após o episódio com a Sra. Stringam. No entanto, alguns permaneceram intrigados. Julia Rucklidge, uma psicóloga clínica da Universidade de Canterbury, na Nova Zelândia, foi abordada em 2003 por um colega canadense para ver se ela poderia estar interessada em conduzir esses testes. Ela estava cética: “Eu havia sido ensinada que a nutrição é completamente irrelevante para a saúde do cérebro”. Na época, ela lembra, estava imersa em dados positivos que mostravam a eficácia do Prozac, um antidepressivo, e de estimulantes como o metilfenidato para o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Ela estava animada, explica, por ter esses novos medicamentos como ferramentas para tratar problemas de saúde mental.

Então ela foi forçada a questionar essas opiniões. Ela estava tratando uma criança com transtorno obsessivo-compulsivo por um ano sem sucesso. A família não queria medicação. Um dia, quando estavam saindo, ela se lembrou de que tinha uma caixa de suplementos embaixo de sua mesa para um ensaio que estava planejando. Ela os ofereceu aos pais com a ressalva de que não tinha ideia se funcionariam. Duas semanas depois, eles voltaram, dizendo que as obsessões da criança haviam desaparecido.

A Dra. Rucklidge estava cética de que qualquer melhora fosse devida aos suplementos, mas isso a levou a conduzir mais ensaios. Algumas décadas depois, ela demonstrou que os suplementos são úteis em crianças com TDAH, especialmente aqueles que têm dificuldade em regular suas emoções. O ensaio foi recentemente replicado nos Estados Unidos. Outras evidências da eficácia de suplementos estão surgindo. Os resultados de um grande ensaio clínico randomizado publicado em setembro mostraram que tomar um multivitamínico diário pode melhorar a cognição em pessoas com mais de 65 anos. Os pesquisadores acompanharam mais de 2.000 pessoas e estimaram que três anos de suplementação levaram a uma redução de 60% no declínio cognitivo.

A psiquiatria nutricional ainda está em sua infância. À medida que fica mais claro quais micronutrientes afetam o cérebro, a próxima etapa é determinar como eles o fazem. Outro novo campo de pesquisa pode ajudar com isso.

Um dos desenvolvimentos científicos mais intrigantes dos últimos anos é a descoberta da importância dos microrganismos no intestino como intermediários entre o que entra pela boca e o que acontece no cérebro. Os pesquisadores agora sabem que os micróbios formam um ecossistema complexo no intestino – conhecido como microbioma. Esses micróbios precisam de micronutrientes. Uma dieta carente deles, como a consumida por muitos no Ocidente, pode levar a um desequilíbrio no microbioma intestinal.

Isso poderia afetar como as pessoas pensam e sentem? A evidência está se acumulando para uma ligação entre o intestino e o cérebro no que é chamado de psicobioma – parte do microbioma – que faz exatamente isso. As substâncias que as várias bactérias, vírus e fungos produzem podem entrar diretamente na corrente sanguínea e infiltrar os vasos sanguíneos, ou podem estimular o nervo vago que conecta o intestino e o cérebro. As bactérias no intestino produzem, entre outras coisas, o triptofano, o aminoácido considerado ter vindo inteiramente da dieta.

Os tipos de microrganismos encontrados no iogurte especificamente e nos alimentos fermentados em geral também foram demonstrados por ensaios clínicos a reduzir a ansiedade. O que mais surpreende o Dr. Dinan é a descoberta de que a capacidade de uma pessoa lidar com o estresse pode ser alterada por uma única cepa de bactéria. Estudos mostram que duas espécies de Bifidobacterium e uma de Lactobacillus reduzem o estresse. Em um ensaio com camundongos sem germes, uma resposta anormal ao estresse foi revertida quando eles receberam doses orais de Bifidobacterium infantis. Essas descobertas deram origem à noção de “psicobióticos” – bactérias que, quando ingeridas, podem ter efeitos semelhantes aos de antidepressivos ou medicamentos contra a ansiedade.

A dificuldade em desenvolver esse novo campo de pesquisa reside na economia. Ao contrário de medicamentos, vitaminas, minerais e micróbios não são passíveis de patente. As empresas farmacêuticas não têm nada a ganhar comercialmente ao conduzir ensaios com pílulas que qualquer pessoa pode vender. É difícil confiar em pesquisas patrocinadas pela indústria, uma vez que há um viés em favor de resultados favoráveis. Governos, universidades e sistemas de saúde estão em melhor posição para conduzir esses ensaios. Nada disso substituirá a necessidade de uma boa dieta. Mas isso forneceria alimentos para reflexão.

Compartilhe

Investidor com extenso track record na indústria de investimentos alternativos e operações estruturadas. Venture Partner da FIR Capital.

Leia também

Receba notícias no seu e-mail