As mulheres não se candidatam nas suas vagas? Entenda o porquê

Em 2020 a participação das mulheres no mercado de trabalho foi a menor em 30 anos, segundo dados do Instituto de Pesquisa Aplicada (IPEA).

Em um dado atualizado do World Economic Forum, do ano de 2021, a igualdade de gênero no mercado de trabalho ainda pode demorar de 99 a 257 anos.

Esses são só alguns dados alarmantes que são publicados com frequência sobre o mercado de trabalho para as mulheres. Isso sem mencionar os outros grupos sub representados, como mulheres negras, pessoas LGBTQIAP+, PCDs, pessoas +50, entre outros.

Apesar disso, muitas empresas começaram pela primeira vez sinalizar um interesse genuíno na equidade de gênero nos seus times.

A Se Candidate, Mulher! nasce para contribuir com essa mudança de realidade e contamos com vários aliados nesse desafio. Sozinhas não resolveremos esse problema, mas juntos temos certeza que sim. Por isso construímos um Guia estratégico para contratação de mulheres que tem o intuito de mostrar na prática o que afeta a candidatura das mulheres na sua vaga e dar dicas de como mudar isso.

Milhões de mulheres desempregadas e empresas querendo contratá-las, onde essa conta não está fechando?

Para falarmos de empregabilidade de mulheres precisamos falar de dois lados de uma moeda: mulheres e empresas. De um lado temos 8,5 milhões de mulheres desempregadas segundo o IBGE e do outro, pela primeira vez na história, empresas olhando para gaps de gênero dentro dos seus times. 

Nunca na história se falou tanto em equidade de gênero e houve um interesse tão evidente de investimento das empresas no que se refere a isso. Mas se há mulheres disponíveis e se há um mercado aquecido querendo contratá-las, onde é que essa conta não está fechando?

As mulheres não se candidatam tanto às vagas de emprego quanto os homens! 

Esse dado não é uma novidade. Mulheres tendem a se candidatar a uma vaga de emprego ou promoção somente quando possuem 100% dos pré-requisitos. Já os homens, fazem isso com 60% dos mesmos pré-requisitos. 

A candidatura somente quando tem 100% de segurança sobre o que é pedido não é um defeito da mulher assim como se arriscar não é uma qualidade do homem. Estamos falando de traços característicos. Viemos de uma sociedade que ensina desde criança a mulher a ser perfeita e ao homem a se arriscar e correr mais risco. Quando entendemos que é um traço característico e não um defeito, as coisas começam a mudar no que tange a processos seletivos.

Fomos mais a fundo e durante o ano de 2020 mentoramos mais de 2.000 mulheres gratuitamente para entender então o contrário: o que fazia ela se candidatar a uma vaga no final de contas? E paralelo a isso conversamos com mais de 80 empresas para buscar onde estava a dificuldade na contratação de mulheres.

O resultado dessa história, cases de sucesso e algumas dicas você encontra no nosso Guia produzido em parceria com GPTW. Clique aqui, acesse e comece agora a fazer a diferença para as mulheres na sua organização.

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais