Mês da Mulher: por mais mulheres na liderança

Neste Mês das Mulheres, minha coluna aqui no Economia SP será um pouco diferente. Buscando dar mais visibilidade a pautas sobre a liderança feminina, abro espaço para nossa diretora de gente, Paola Moraes, que carrega mais de 15 anos de experiência e foi responsável por liderar grandes projetos de mudança cultural e reestruturação de áreas em multinacionais de tecnologia e serviços, para falar um pouco mais sobre liderança feminina. Espero que gostem! Confira abaixo o artigo dela:

Chegou o mês que marca a luta das mulheres por equidade e melhores condições de vida. Celebrado em oito de março, o Dia Internacional das Mulheres levanta uma reflexão global sobre a opressão de gênero, que transita em diversas áreas da vida da mulher, uma delas, o mundo corporativo.

Nunca se falou tanto da necessidade de lideranças diversas como atualmente. Já sabemos que uma equipe diversa, com mulheres e outros grupos minorizados em cargos estratégicos e de liderança, agrega e torna o ambiente de trabalho mais produtivo e inovador. Mas, ao passo que o tema passa a ser mais debatido, vemos uma queda no número de mulheres em cargos gerenciais. De acordo com o IBGE, a queda foi de cerca de 2% em 2021 e as mulheres ocupam apenas 37,4% dos cargos gerenciais. Quando subimos para as posições executivas os números ficam ainda mais discrepantes. Ao tratarmos de cargos de CEO, o número de mulheres que ocupam essa posição cai para 3% de acordo com um estudo feito pela Bain & Company em parceria com o LinkedIn. 

Quando observamos um panorama macro, os números ficam ainda mais preocupantes. Durante a pandemia, a ONU constatou que, na América Latina, o número de mulheres fora do mercado de trabalho saltou de 66 milhões para 83 milhões. As condições precárias e a realidade das mulheres, que realizam dupla jornada de trabalho, divididas entre o emprego e as atividades domésticas, chegando a trabalhar cerca de 7,5 horas a mais do que os homens, segundo dados do Ipea, foram os principais motivos para deixarem o mercado de trabalho. As mulheres estão exaustas na pandemia.

O curioso é que em questões acadêmicas, as mulheres são mais bem preparadas do que os homens. Elas são mais bem instruídas, com número superior de mulheres graduadas em ensino superior, pós-graduadas, mestres e doutoras em suas áreas. E mesmo assim, encontram mais dificuldade em conseguir vagas de emprego, principalmente ao tratarmos de vagas de liderança. 

As mulheres são tão capazes quanto os homens de liderarem grupos e empresas, mas foram ensinadas, por gerações, que essa não era a prioridade. Os vieses inconscientes que nos fazem relacionar pessoas em posição de sucesso ao sexo masculino, estão por trás da desigualdade no acesso a oportunidades profissionais.

Por isso, as mulheres precisam ir além desses padrões impostos e internalizar que cargos de liderança podem e devem ser ocupados por mulheres. As organizações ainda são muito masculinizadas, e se perder em comportamentos pré impostos às vezes é muito fácil. A mulher precisa investir constantemente no autoconhecimento e se fortalecer, para seguir o seu caminho, que é único, de forma autêntica. Resultados extraordinários podem ser  alcançados por mulheres quando essas, permitem-se arriscar e aplicar seus talentos e características únicas nos desafios, e não quando reproduzem comportamentos e ações pré determinadas e muitas vezes esperadas pela sociedade.

Na PlayKids, por entendermos a importância de termos cada vez mais mulheres em cargos estratégicos, começamos, em novembro de 2021, programas de formação interna para grupos minorizados, com foco em “Mulheres na Liderança”. Precisamos dar o incentivo para que as mulheres descubram suas potencialidades e se sintam seguras para ocupar essas posições, que foram socialmente ensinadas que não as pertencem. 

Além disso, e para ampliar e contribuir com a evolução do tema, em 2022 a Playkids passa a ter entre seus grupos de afinidade o Grupo Masculinidades, espaço único para que os homens  da empresa possam trazer suas vulnerabilidades, debater padrões, preconceitos e desafios do dia a dia e, claro, refletir como usar seus privilégios para se engajarem nas pautas de D&I no dia a dia. O movimento que leva mais mulheres à liderança, não é apenas feminino e precisa contar com o suporte, incentivo e compreensão masculina diante da realidade que vivemos. Infelizmente as organizações são ainda muito masculinizadas e se os homens não forem envolvidos nesse movimento de transformação e consciência o processo será ainda mais lento.

São esses pequenos passos de autoconhecimento e empoderamento, aliados a mudanças sociais e estruturais, que realmente vão fazer com que vejamos lideranças cada vez mais diversas e, consequentemente, ambientes de trabalho mais saudáveis, criativos, inovadores e com melhores resultados em performance. 

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais