Às vezes, a melhor coisa que você pode fazer por sua produtividade, é não trabalhar 

Sim. É isso mesmo que você leu. O contrário do que passamos anos ouvindo, e fazendo. Não é de hoje que o workaholic é glamourizado.

Ainda vejo profissionais dizerem com um certo orgulho que não almoçaram por causa de uma reunião ou que passaram o final de semana em meio a relatórios.

Continuo ouvindo, também, histórias de líderes que enaltecem a atuação de quem trabalha 20 horas por dia, não tira férias ou está à disposição a qualquer momento, como se isso fosse sinal de mais produtividade e engajamento. Mas não. A dedicação exaustiva não significa qualidade nas entregas. 

Segundo algumas pesquisas, o cansaço diminui a capacidade cognitiva, freia a criatividade e aumenta a propensão aos erros.

Um estudo publicado na revista científica Neurology, por exemplo, mostra que altos níveis de cortisol (hormônio produzido pelo corpo em situações de estresse) diminuem o volume do cérebro e causam problemas de memória.

Isso sem falar das questões de saúde mental e física. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que trabalhar 55 horas ou mais por semana aumenta o risco de morte.

“Não é mais possível operar no modelo mental da era industrial.  As empresas que ainda vivem sob essa gestão, em que horas trabalhadas valem mais do que o trabalhador, vão ver a conta chegar”, destaca Daniela Diniz, diretora de conteúdo e relações institucionais do Great Place to Work.

Ela sugere incluir o que chama de “micro férias” na rotina de trabalho:

“Essas pausas são essenciais para desenvolver as competências importantes hoje em dia. Como alguém consegue ser criativo com a agenda cheia de reuniões e metas?”, ressalta.

Daniela lembra de um dia em que não conseguia terminar um projeto e decidiu sair para caminhar 45 minutos. O resultado? Voltou com a ideia de como terminá-lo e fechou o trabalho em dez minutos. 

Há, inclusive, um movimento de redução da jornada de trabalho sem alteração do salário em alguns locais pelo mundo.

Em janeiro deste ano, o Reino Unido anunciou que começará a realizar testes para avaliar a possibilidade das empresas adotarem uma jornada de trabalho semanal de quatro dias.

Na Islândia, de acordo com dados do thinktank Autonomy, 85% dos trabalhadores já podem trabalhar apenas quatro dias por semana. Por aqui, o movimento ainda é tímido.

Um exemplo de empresa que aderiu ao modelo é a startup mineira Crawly. Por lá, não há expediente às sextas-feiras. Enquanto a tendência não ganha força por aqui, cabe a cada um de nós, a consciência de que parar é essencial. 

Você se permite parar?

A grande questão é as pessoas se autorizarem a parar, como explica a psicanalista Claudia Cavallini, consultora e professora na HSM Educação Executiva:

“Vivemos num contexto capitalista, em uma cultura do trabalho, da produtividade e do multitarefas. As pessoas compraram essa ideia, o que tem levado ao adoecimento”.

Segundo ela, é preciso desromantizar o super-herói e a super-heroína que, ao ter uma reunião desmarcada, logo coloca outra no lugar, pois sente culpa de não fazer algo produtivo.

“A última coisa que se pensa neste caso é descansar um pouco”, diz.

Daniela ressalta que inserir as pausas no dia a dia de trabalho requer disciplina, organização e uma dose extra de autoconhecimento.

Se você tem um trabalho mais intelectual, por exemplo, pode estabelecer essas pausas pensando em como é sua rotina e qual o seu pico de produtividade.

Quais são seus compromissos fixos? Precisa levar o filho à escola? Que horas almoça? E em que momento seu desempenho é melhor?

“Se seu melhor sono é pela manhã, combine com a equipe que as reuniões sejam a partir das 10h. Assim como se seu pico de produtividade é maior no final da tarde, deixe para fazer as atividades que exigem mais de você nesse período”, diz.

Segundo ela, já há empresas trabalhando com horários flexíveis e mais liberdade, sem a exigência de cumprir o tradicional horário das 9h às 18h, o que facilita essa dinâmica.

Outro ponto importante, segundo Claudia, é saber dizer não:

“Isso devia ser uma competência. A partir do momento que você aprende a negar o que não consegue fazer e não cabe na sua agenda, começa a entrar num diálogo com a sua verdade: não consigo, não posso, vou tirar férias ou não posso falar agora”.

Ela sugere inserir as pausas na agenda, prática que adota:

“Entre um paciente e outro reservo um tempo para me reconectar”.

“O maior dificultador somos nós mesmos. Precisamos nos comprometer com o descanso e com a qualidade de vida”, completa Claudia.

Que tal começar hoje?

você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, mas você pode optar por não permitir, se desejar. Entendi Saiba mais