Siga nas redes sociais

Search
Foto: divulgação.

Novo urbanismo: soluções para otimizar espaços públicos

Redação Economia SC

Redação Economia SC

Tudo sobre economia, negócios, inovação, carreiras e sustentabilidade em Santa Catarina.

Por Hélio Mítica, Urbanista responsável pelos projetos de bairros planejados da Idealiza Cidades e sócio-fundador da AREAURBANISMO.

Pensar a criação e a gestão dos espaços públicos do ponto de vista de quem vai utilizá-los é o aspecto mais importante para o sucesso das cidades. Um projeto bem planejado – quase feito à mão – pode promover a qualidade de vida, a coesão social, a saúde e a sustentabilidade urbana.

Historicamente no Brasil as cidades crescem sem planejamento e trazem múltiplos desafios para a população, como engarrafamentos, degradação urbana e desigualdade social. O espaço urbano possui muitas contradições em sua construção. Nas cidades são encontrados lugares totalmente distintos, social e espacialmente. De um lado, vemos espaços bem programados, com edificações de alto padrão, segurança, saneamento básico, entre outros, destinados a grupos privilegiados. Do outro, a realidade é oposta.

Quando se fala em medidas paliativas, ainda assim gestores criam intervenções a partir de ideias que não atendem aos anseios reais daqueles que vão de fato frequentar os espaços. Porém, estudos relacionados à qualidade de vida urbana têm se intensificado atualmente. Governos, ONGs, empresas e sociedade vêm se unindo em torno de objetivos comuns para tornar os espaços públicos mais democráticos e acessíveis para todos.

Essas iniciativas passam antes de tudo por entender quais são os desejos e necessidades dos grupos em questão. Bons espaços públicos precisam ser inclusivos, e, portanto, acessíveis. Devem ser seguros, bem iluminados, protegidos do trânsito de automóveis, com acesso a comércios e opções de lazer.

Novo urbanismo

Neste sentido, surge o novo urbanismo – um movimento de design urbano que promove hábitos ambientalmente amigáveis, com bairros e espaços que valorizam o deslocamento de pedestres, espaços ao ar livre e alternativas distintas de habitações e espaços comerciais. Tudo em sinergia.

O conceito nasceu nos Estados Unidos no início dos anos 1980 e tem influenciado gradualmente muitos aspectos do desenvolvimento imobiliário, do planejamento urbano e das estratégias de loteamento.

Os princípios podem ser aplicados desde um único edifício até uma comunidade inteira e se baseiam em mobilidade, conectividade, diversidade, variedade, ênfase na estética da arquitetura, maior densidade dos espaços, transporte verde, sustentabilidade e qualidade de vida.

Bom para todos!

O ideal é que os espaços públicos também sejam lúdicos e divertidos. Locais bons para crianças são assim para os adultos também. Precisamos de circulação, mas também de pontos de permanência, com sombra, água e mobiliário urbano de qualidade. Eles devem formar um grande sistema de espaços livres, adequados aos diferentes usos dos centros urbanos, sejam para encontro, circulação ou descompressão.

A intervenção urbanística deve carregar o propósito de proteger o meio ambiente e a sociedade do local, trazendo mais oportunidades e bem-estar a toda a rede envolvida. Precisamos de menos ‘ego-arquitetura’ e mais sócio-arquitetura’.

Compartilhe o conteúdo

Leia também

Hub InovAtiva apoia 118 empreendedores com mais um ciclo de aceleração

Fundadora do Economia SP recebe prêmio em São Paulo

Arquivei anuncia Thiago Dantas como novo head de geração de demanda e growth

Receba notícias no seu e-mail